6

Vento do norte

O meu nome escrevi na areia 
 Veio o vento do norte 
Bateu forte e o levou 
Voltei a escrevê-lo no mar 
Vieram ondas, tempestades 
Vieram monções, furacões 
Veio a sereia e docemente o levou 
Levou-o para o fundo do mar. 
Escrevi-o de novo 
 Em cada estrela cadente 
Que no céu eu vi passar 
Escrevi-o na terra, na água e no ar 
Mas foi em vão nada adiantou 
Porque veio de novo a sereia 
E para sempre o levou 
Levou-o para o fundo do mar 
anacosta


6 comentários:

  1. O teu nome, nada pode apagar! Nem as ondas, nem os ventos, nem os estios ou os nevões. Tão pouco as tempestades ou os furacões. Sabes porquê? Porque o teu nome está gravado no céu, é o que te identifica sobre todos os outros.
    Lindo poema Ana.
    Beijinho de luar

    ResponderEliminar
  2. lindas palavras!!!!
    Muito obrigada, uma boa semana e um beijinho!!

    ResponderEliminar
  3. Olá Ana como está? Maravilhoso poema que adorei. Beijos com carinho

    ResponderEliminar
  4. Olá minha amiga!
    Obrigada por ter gostado do meu poema!!!
    Beijinhos grandes

    ResponderEliminar
  5. Uma visita com muito carinho.
    Desejo de coração um abençoado final de semana,
    que a paz esteja no seu coração .
    Saúde para você e sua amada família.
    Beijos ..Evanir.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. olá amiga Evanir como está?
      Isto por aqui anda complicado no que respeita a gerir tempo...
      Com muita pena minha o tempo é minimo para vir aqui ver os meus queridos/das amigos/as.
      De qualquer maneira faço - o com muito gosto sempre que posso
      beijinho muito grande minha querida


      .

      Eliminar

Obrigada por deixar o seu comentário, pois isso só veio enriquecer este espaço