0

Ó vento agreste que docemente espalhas meus cabelos
Em cada pedra minúscula deste deserto inexpressivo
Onde o poeta ao longe canta seus versos
A uma musa imaginária que fortemente o mantém cativo

Não fora esse amor quase viral
 Brotando de um peito já cansado
Ousaria o poeta morrer por ela afinal
Tornando doce esse mel que agora é amargo.…

anacosta
https://www.facebook.com/poesiananoite/

anacosta

https://www.facebook.com/poesiananoite


0 comentários:

Enviar um comentário

Obrigada por deixar o seu comentário, pois isso só veio enriquecer este espaço